segunda-feira, 27 de março de 2017

O trânsito dos nossos pensamentos



Pois é, parece que já se tornou comum a impunidade e a violência no trânsito, mas não devemos nos conformar, cruzar os braços e relevar tamanha estupidez. As pessoas já andam com medo de tantos crimes, e como se não bastasse, reagem com toda essa hostilidade em algo que pode sempre ser resolvido de maneira sensata.

"Coragem é a resistência ao medo, domínio do medo, e não a ausência do medo." - Mark Twain.


Ainda ouso à dizer que, a maior crise que enfrentamos hoje, além é claro da crise econômica no país e no mundo, é a crise em nós mesmos. A crise emocional, existencial, o  stress, a aversão do desconhecido, a preocupação e ansiedade que aflingem e turbulam nossos pensamentos. As pessoas vivem com medo e inseguras em sair de casa para mais um dia de trabalho. O medo já se tornou comum, mas sabemos bem que não deveria ser assim. Medo esse que criam janelas traumáticas, danos irreparáveis, medo que ameaça a nossa tranquilidade, nossa coerência, perturbam a nossa sensatez, que abastecem as pessoas com mais raiva, ódio e rancor para descarregar no próximo. Um simples acidente de trânsito que, muitas vezes ninguém saiu ferido ou tão pouco prejudicado, mas sobrecarregados emocionalmente, perdem o seu controle emocional e liberam todas as suas frustrações e indignação em seu semelhante. No final, todos saiem prejudicados.

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." - Platão.

O maior perigo pode não estar lá fora, mas dentro de nós mesmos. Se não soubermos controlar os nossos medos, não teremos domínio de nossos atos. Saber gerenciar o trânsito dos nossos pensamentos é dirigir o nosso autocontrole emocional. Tudo o que mais precisamos, antes de mais nada, é termos equilíbrio emocional e educar os nossos medos.

"A vida é maravilhosa se não se tem medo dela." - Charles Chaplin. 

quarta-feira, 22 de março de 2017

Sacrifício


“Mais vale a lágrima de uma derrota do que a vergonha de não ter lutado.”

Nunca se deixe abalar pelo simples fato de ter demonstrado seus sentimentos para quem nunca soube aproveitá-los; o que importa é que você soube assumí-los sem medo, e essa pessoa que não aproveitou verá o quanto perdeu.

Senti-me esgotado, consumido e já sem forças ou motivos para viver. Alienado, como uma sombra que vendava os meus olhos, escondia-me toda a verdade e limitava a minha percepção. Foi assim que a angústia me calou, acompanhada depois pela decepção. Quando finalmente se revelou à mim, ainda mesmo de forma inconsciente, que sua vida era fundamentada pela mentira! Fiquei sem chão. Me acordei de um lindo sonho mas que já não é mais real.

Manipular as pessoas tornou-se algo tão sutil e ao mesmo tempo tão natural e recompensador, cativando os demais e logo às usando, como se fossem lixo. O seu jogo foi criado e mestrado para que todos os jogadores pudessem ficar submissos às suas vontades. Brincando com sentimentos, criando novos súditos, mas destruindo também outros corações.

Ainda há tempo de tomar consciência de todos os seus erros cometidos e voltar a ser a pessoa tão meiga, adorável e querida que era antes. A pessoa que um dia conheci.

Lamentar as experiências vividas é uma forma de impedir o próprio desenvolvimento, portanto lembra-te dos bons momentos, arrependa-te dos maus, esqueça o que te faz e o que te fez sofrer e volte à ser VOCÊ!

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Orgulho


"Perdemos a oportunidade de ficarmos calados, por sermos inseguros, por sermos ingratos.
No Inverso do certo transitam a irresoluta desordem de nossos pensamentos.
A complexidade de nossa consciência concede espaço para o autor de nossa ufania.
Sentimento verdolengo, imprudente, imaturo. Insensato, infante, prematuro.
Pedante, ególatra, soberbo, hipócrita. Enfesto ao superego, alimento a nossa altivez.
Orgulho... Nada mais que orgulho.
Assim que eu me render e sucumbir de minha ignorância, cair de meu brio.
Dessarte serei, talvez, merecedor de teu amor pela primeira vez."

Fellipe Madeira.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Pra todo o sempre


"Juro, minha vida, te amar a cada instante.
Guardá-la e protegê-la, provocar paixão constante.
Reconquistá-la a cada dia, sou servo teu, oh minha amada!
Será sempre a minha princesa, por mim serás idolatrada.

Tua felicidade será minha, teu chorar será o meu.
Meus segredos revelados, meu coração será só teu.
Gravarei o teu semblante dentro da minha memória.
Escreverei de nós um livro, de todas a mais linda história.

Saberão deste romance, tanto no sul quanto no norte.
Que te amei a cada segundo, até a hora de minha morte.
Em meu último suspiro, só em ti irei pensar.
Minha’lma clama por Ti, em todo sempre vou te amar."

Fellipe Madeira.


sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Gota charmosa


"Num dia de chuva, gota cai na vidraça.
Escorre charmosa com sua graça.
Sutíl e elegante, conforme ao lento.
Assovia seu canto gentil, o nobre vento"

Fellipe Madeira.

domingo, 24 de abril de 2011

Domínio















"Apoderas-te de minha consciência.
Consumis-te meu espírito.
Vivo em estado de emergência.
Alivio-me num grito.

Não sou dono mais de mim.
Não controlo meu querer.
Já não sei o que eu faço.
Esforço-me pra ti esquecer.

Fico só com o travesseiro.
Pensamentos refletidos.
Demoro a cair no sono.
Pois meus sonhos são banidos.

A angústia me sufoca.
Impede-me respirar.
A tristeza me ameaça.
Conforto-me em chorar.

Sem mais forças, esgotado.
È um castigo esta paixão.
Se não é retribuído.
Condeno-me a solidão."

Fellipe Madeira.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Segredos


"Observo-te, mas você nem nota.
Admiro-te, mas pra ti não importa.
Acovardo-me, não quero admitir.
Exalto-lhe, adoro teu sorrir.

O teu cheiro, tua cor, teu olhar.
Tua modéstia em te elogiar.
Teu pensar, teu querer, teu sonhar.
Quero-te e sempre vou te amar.

Histeria; Tua presença me contenta.
Solidão; Tua falta me ausenta.
Sorte; Tua atenção voltada a mim.
Tempo; Os ponteiros buscam o fim.

Elegância; És Sincera e refinada.
Fotogênica; Carisma idolatrado.
Conforto; Ver alegria em teu semblante.
Destino; Ser teu eterno amante."

Fellipe Madeira.