quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Como dizia o poeta...


“Como dizia o poeta, quem já passou por essa vida e não viveu, pode ser mais, mas sabe menos do que eu. Porque a vida só se dá pra quem se deu, pra quem amou pra quem chorou pra quem sofreu. Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada não. Não há mal pior do que a descrença, mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão. Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair. Pra que somar, se a gente pode dividir? Eu francamente já não quero nem saber de quem não vai porque tem medo de sofrer. Aí de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão. Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada não.”

Buscando melhores caminhos e traçando rumos diferentes. Tudo em nossas vidas é uma grande aprendizagem, mas ainda, por mais que eu tente ou por mais que eu queira... bem, nunca te esquecerei.

sábado, 17 de outubro de 2009

Flagelo


“Não se deve sair a caçar borboletas, e sim cuidar do seu jardim para que elas venham até você.”

Apenas valorize aqueles que realmente te retribuem com o mesmo valor! Prezar afeto, carinho e amor a quem te reconhece.

Jamais te curve à uma utopia, do qual alguns chamam de paixão, à vista que a mesma pode ser uma venda aos teus olhos e de qualquer criatura, pois persisti, resisti e insiste como uma maldição. Alimenta-se, suga e massacra de toda a sua vitalidade, féri a tua alma e impede que possas ser restaurada.

Tenho ainda uma marca que arde em chamas, uma cicatriz, vestígios do qual se apoderam da minha mente, me angustia e consome o meu bem-estar, mas, me recuso à desistir. Irei eu libertar-me desse karma ou serei castigado eternamente?

Quando ambos compartilham dessa mesma emoção, desse mesmo sentimento, torna-se um grande presente, uma dádiva. Há controvérsias, mas, ainda arrisco-me à dizer que a paixão pode ser uma das mais belas e eloquentes etapas na vida de um ser humano. Viver um grande amor, talvez, é encontrar a felicidade.

sábado, 10 de outubro de 2009

O renascer do novo eu


“Em prisões baixas, tempo era inimigo.
Erros meus, que serviram de corrente.
Ira nasce, massacrando esse castigo.
Jaz minha vida, pois começo novamente.”

Bom, cansei de estar em casa observando as texturas da parede (quem nunca!). Medo de viver? Jamais! Farei mais do que fechar-me num casulo e enclausurar-me para o mundo. O mesmo sentirá a minha presença! 

Pouco a pouco morfo minha maneira de pensar, exploro novos ângulos e a perspectiva de um mundo menos puritano. Pois é, o mundo é cruel e devemos abrir os nossos olhos para isso, mas ainda há um mundo belo e de infinitas oportunidades.
Estou a caminho de descobrir quem realmente sou, e isso, é uma constante. A vida é uma grande e eterna lição e podemos aprender dia-a-dia com a mesma. Expressar-me-ei o verdadeiro eu, apertar a tecla "f*da-se" e ser, talvez, indiferente com segundas opiniões (o que às vezes faz bem). Apartir de hoje arriscarei bem mais, vou trocar o certo pelo duvidoso, pegar carona numa cauda de cometa, seguir um rumo sem direção, desafiar o imprevisto, e depois, fazer riso de minhas conquistas.

Como dizia o poeta: - “Nasci careca, pelado e sem dente, o que vier é lucro!”

domingo, 4 de outubro de 2009

Uma nova visão...


“Se amar fosse pecado, eu seria condenado, a pior coisa do mundo é amar sem ser amado.”

Puts! É impressionante como podemos aprender tanto em simplesmente analisar fatos presentes em nossas vidas. Antes, tentava compreender mistérios da vida, refletir sobre a expansão do universo e a razão de nossa existência, mas se não podemos compreender à nós mesmos tudo isso se torna uma grande perda de tempo.

Pouco tempo atrás eu era uma criatura convencional o bastante para seguir apenas um tolo padrão de vida. Eu não era apenas uma pessoa prudente mas vivia com o medo de mudar, sem questionar e tão pouco aprender à inovar, seguindo o fluxo da vida, sempre à frente e sobre os trilhos, dia após dia e a monotonia fazia cada vez mais parte de mim. Estava vivendo tal como um cavalo de viseira, puxando uma carroça, escravo do meu próprio ser. "Um cérebro de tração animal."

Sabemos pois que responsabilidades são fundamentais na vida de qualquer ser humano, mas viver apenas de responsabilidades também é angustiante e esgotante por demais. Bem, estou adquirindo novas experiências, ampliando meus horizontes, procurando uma boa razão para viver.

Chega de ser tão cauteloso a ponto de não curtir a vida e pensar tanto antes de agir. Não quero ser um inconsequente mas quero ter coragem de viver, pois sim, viver é um grande desafio ainda mais quando somos tão jovens. Agora, estou procurando me adaptar, mudar, seguir um pouco mais os meus extintos, tentando exercer autoconfiança. Hoje, posso dizer; - "Quero arricar à ser feliz."

Agradeço especialmente a irreverente sabedoria de uma amiga, pois ela me libertou de um calvário mental, pois seguindo sua luz eu saí dessa ilusão.

Saindo da Matrix.