domingo, 24 de abril de 2011

Domínio















"Apoderas-te de minha consciência.
Consumis-te meu espírito.
Vivo em estado de emergência.
Alivio-me num grito.

Não sou dono mais de mim.
Não controlo meu querer.
Já não sei o que eu faço.
Esforço-me pra ti esquecer.

Fico só com o travesseiro.
Pensamentos refletidos.
Demoro a cair no sono.
Pois meus sonhos são banidos.

A angústia me sufoca.
Impede-me respirar.
A tristeza me ameaça.
Conforto-me em chorar.

Sem mais forças, esgotado.
È um castigo esta paixão.
Se não é retribuído.
Condeno-me a solidão."

Fellipe Madeira.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Segredos


"Observo-te, mas você nem nota.
Admiro-te, mas pra ti não importa.
Acovardo-me, não quero admitir.
Exalto-lhe, adoro teu sorrir.

O teu cheiro, tua cor, teu olhar.
Tua modéstia em te elogiar.
Teu pensar, teu querer, teu sonhar.
Quero-te e sempre vou te amar.

Histeria; Tua presença me contenta.
Solidão; Tua falta me ausenta.
Sorte; Tua atenção voltada a mim.
Tempo; Os ponteiros buscam o fim.

Elegância; És Sincera e refinada.
Fotogênica; Carisma idolatrado.
Conforto; Ver alegria em teu semblante.
Destino; Ser teu eterno amante."

Fellipe Madeira.