domingo, 24 de abril de 2011

Domínio















"Apoderas-te de minha consciência.
Consumis-te meu espírito.
Vivo em estado de emergência.
Alivio-me num grito.

Não sou dono mais de mim.
Não controlo meu querer.
Já não sei o que eu faço.
Esforço-me pra ti esquecer.

Fico só com o travesseiro.
Pensamentos refletidos.
Demoro a cair no sono.
Pois meus sonhos são banidos.

A angústia me sufoca.
Impede-me respirar.
A tristeza me ameaça.
Conforto-me em chorar.

Sem mais forças, esgotado.
È um castigo esta paixão.
Se não é retribuído.
Condeno-me a solidão."

Fellipe Madeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário